Riparia, Vol 3 (2017)

WATER PLANNING IN ALCOBAÇA CISTERCIAN LANDS

António Valério Maduro, José Manuel De Mascarenhas, Virgolino Ferreira jorge

Abstract


Abstract in English language

This paper concerns the main domain (“coutos”) of the Cistercian Abbey of Alcobaça (central Portugal), founded in 1153. It shows the involvement of the monks in shaping hydraulic landscapes along time. This monastic territory is limited westwards by the Atlantic ocean with a cliff coast  indented by two large gulfs, the former Pederneira and Alfeizerão lagoons, sanded up presently. These landscapes have been consolidated along with the monks’ intervention in the hydrographic plan, particularly through a network of canals, the types of which can be summarized as follows:

- canals for water conveyance and evacuation,  to and from the abbey buildings;

- canals related with water-powered engines as grain-, oil-, saw-  and fulling-mills, forges and other industrial devices; 

- canals consequent to the diversion of rivers and streams with two main purposes:

           . to drain the  fields in order  to improve the marshes for agricultural use;

           . to irrigate cultures.

Keywords: Hydraulic landscapes, Canals, Cistercians, Alcobaça Abbey.

 

Abstract in Portuguese language

Este artigo respeita os coutos da Abadia Cisterciense de Alcobaça (Portugal Central), fundada em 1153. Nele se apresenta o envolvimento dos monges na modelação de paisagens hidráulicas ao longo do tempo. Este território monástico está limitado pelo Oceano Atlântico, a Oeste, sendo a costa escarpada recortada por dois grandes golfos, as antigas lagoas de Pederneira e de Alfeizerão, actualmente assoreadas. A intervenção dos monges permitiu que estas paisagens se fossem  consolidando, através sobretudo da instalação de uma rede de canais cuja tipologia pode ser resumida do seguinte modo:

- canais para adução aos edifícios abaciais e para evacuação da água destes;

- canais para a produção da energia hídrica necessária a moinhos, lagares, serrações, pisões, forjas e outros equipamentos industriais;

- canais relacionados com o desvio de rios e ribeiros, com duas finalidades básicas:         - drenagem dos campos  com vista à sua recuperação para a agricultura;  

        . irrigação agrícola.

Palavras- Chave: Paisagens hidráulicas, Canais, Cistercienses, Abadia de Alcobaça


Full Text:

PDF

References


Bibliography

J. M. BAPTISTA, Chorographia Moderna do Reino de Portugal , Lisboa 1876.

M. L. BLOT, Os portos na origem dos centros urbanos. Contributo para a arqueologia das cidades marítimas e flúvio-marítimas em Portuga, Trabalhos de Arqueologia 28, Lisboa 2003.

D. M. COCHERIL, Alcobaça: Abadia Cisterciense de Portugal, Lisboa 1989.

J. P. CORDEIRO, Voltar ao rio para (re)descobrir a porta de Alcobaça para o mar. Uma proposta para o território do rio Alcoa na antiga Lagoa da Pederneira, Coimbra 2015.

P. F. da COSTA, Estudo e Projecto da Segunda Fase da Obra da Cela, Lisboa 1960.

L. F. DIAS, Forais manuelinos do reino de Portugal e do Algarve: conforme o exemplar do Arquivo Nacional da Torre do Tombo Tome 3, Beja 1962.

A. J. FIGUEIREDO, Alfeizerão, centro portuário da Antiguidade por revelar, Cadernos de Estudos Leirienses 4, Maio 2015.

M. O. GIL, Engenhos de moagem no século XVI (Técnicas e Estruturas), Do Tempo e da História 1, 1965, 167.

I. GONÇALVES, O Património do Mosteiro de Alcobaça nos Séculos XIV e XV, Lisboa 1989.

I. GONÇALVES- M.S. SILVA, A Baía de S. Martinho do Porto. Aspectos Geográficos e Históricos, Lisboa 2005.

M.V. HENRIQUES, O Litoral dos Coutos de Alcobaça. Evolução sedimentar e histórica da Lagoa da Pederneira, J. A. CARREIRAS (dir.), Mosteiros Cistercienses. História, Arte, Espiritualidade e Património vol. III, Alcobaça 2013, 423-442.

T. LARCHER, Diccionário Biographico Chorographico e histórico do Districto de Leiria e Concelho de Villa Nova D’Ourém, Leiria 1907.

J. LOPES, Alfeizerão e o mar. Os nautas. https://alfeizerense.blogspot.pt/2015/09/notas-avulsas-sobre-os-barcos-e-o-porto_24.html?m=1 (consulted on 21st June 2016).

A. LOUREIRO, Os Portos Marítimos de Portugal e Ilhas Adjacentes vol. III, Lisboa 1904.

A. V. MADURO, Cister em Alcobaça. Território, Economia e Sociedade (séculos XVIII-XX), Porto ISMAI 2011, 173-197.

A. V. MADURO, O Inquérito Agrícola da Academia Real das Ciências de 1787. O caso da comarca de Alcobaça, J.A. CARREIRAS, J. A. (dir.), Mosteiros Cistercienses. História, Arte, Espiritualidade e Património vol. III, Alcobaça 2013, 319-354.

J.V. NATIVIDADE, A Região de Alcobaça. Algumas Notas para o estudo da sua Agricultura, População e Vida Rural, Lisboa 1922.

J. V. NATIVIDADE, As Granjas do Mosteiro de Alcobaça, Boletim da Junta de Província da Estremadura 5, 1944.

M.V. NATIVIDADE, Mosteiro e Coutos de Alcobaça, Alcobaça 1960.

C. B. NEVES, Do Porto da Pederneira e da sua Lagoa, Gazeta das Aldeias 2769, 1974,762-768.

J.P. OLIVEIRA e SOUZA, Coutos de Alcobaça: as cartas de povoação. Subsídios para a História da Agricultura em Portugal, Lisboa 1929.

V. RAU, Estudos sobre a história do sal português, Lisboa 1984.

J.D. RIBEIRO, Memórias de Turquel, Porto 1908.

L. VALENÇA, Um problema de Hidráulica Agrícola, Agros IV (2) 7-8, 1928.

L. VALENÇA , Subsídios para o Estudo dos Problemas de Hidráulica dos Terrenos Alagados das Freguesias de Cela, Valado, Pederneira e Famalicão, Lisboa 1929.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.