Avaliação do Interesse de Alunos e Professores sobre Aspectos Costeiros: Início de uma Mudança no Gerenciamento Costeiro

Número

Descargas

Visitas a la página del resumen del artículo:  95  

Información

Artículo científico
73-86
Publicado: 09-04-2022

Autores/as

  • Renato Ferreira de Araújo (BR) Programa de Pós-Graduação em Geografia - Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Jacqueline Albino (BR) Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumen

Uma pesquisa, a partir da aplicação de questionários, foi realizada com estudantes e professores do ensino fundamental do município de Vila Velha (Espírito Santo, Brasil) objetivando verificar o interesse e conhecimento sobre a “zona costeira”. A praia foi um dos temas abordados na investigação em função da sua importância e relevância para a cidade. A partir desta verificação inicial pôde-se inferir acerca da necessidade/possibilidade de incorporação dos temas inerentes a costa nos programas educacionais e de educação ambiental. Os resultados indicaram haver um grande interesse sobre os processos envolvidos no ambiente praial, o que já permitiria começar a conscientizar a comunidade, desde jovem, sobre a importância da sua participação nos programas de gerenciamento costeiro. Contudo, algumas lacunas foram identif icadas; os alunos ainda desconhecem alguns conceitos relativamente simples sobre o assunto, material didático sobre o tema é escasso nas escolas, e as práticas de campo e laboratório que envolvam o ambiente costeiro são recursos pouco utilizados. O diálogo entre a educação básica e a gestão costeira pode ser um caminho didaticamente viável e contribuir tanto na aquisição de conteúdos quanto na formação de alunos-cidadãos mais conscientes de suas responsabilidades como agentes transformadores, dependentes e responsáveis pelo meio ambiente.

Palabras clave


Cómo citar

Ferreira de Araújo, R., & Albino, J. (2022). Avaliação do Interesse de Alunos e Professores sobre Aspectos Costeiros: Início de uma Mudança no Gerenciamento Costeiro. Costas, 2(2), 73–86. Recuperado a partir de https://revistas.uca.es/index.php/costas/article/view/9020

Citas

Brasil. 1996. Lei nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Na cional, seus fins e mecanismos de formulação e apli cação, e dá outras providências. Brasília/DF.

De Medeiros, Bezerra, J, Filho DS, Petronilo J, Bruno F. 2015. Popularização do conhecimento geográfico: de safios e avanços Atuais. In: II Congresso Nacional de Educação.

Gunther H. 2003. Como Elaborar um Questionário (Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 01). Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental, 2003.

IBGE. 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísti ca. Banco de dados agregados.

Loureiro, CFB. 2006. Educação ambiental e teorias críti cas. Caminhos da educação ambiental: da forma à ação. Campinas: Papirus, 51-86.

Marangoni AMC. 2007. Questionários e entrevistas: al gumas considerações. In: Venturi LAB. Praticando Geografia: Técnicas de campo e laboratório. São Pau lo: Oficina de textos.

MMA - Projeto Orla: fundamentos para a gestão integra da. 2006. MMA - Ministério do Meio Ambiente/ Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Brasília, DF, Brasil.

Moraes ACR. 2007. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: Elementos para uma Geografia do litoral brasileiro. Annablume 2007.

Muehe D. 2001. Geomorfologia Costeira. Guerra AJT e Cunha, SB (orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Oliveira, MR de L, Nicolodi, J L. 2012.A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla: Uma análise sob a ótica do poder público.” Revista de Gestão Costeira Integrada 12.1: 89-98.

Parâmetros Curriculares Nacionais. 1997. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. Polette M., Asmus ML. 2015. Meio Ambiente Marinho e impactos antrópicos. In: Castello JP, Krug LC. In trodução às ciências do mar. Pelotas: Editora Textos. Scherer M, Sanches M, Negreiros DH. 2010. Gestão das zonas costeiras e as políticas públicas no brasil: um diagnóstico Barragán Muñoz, J.M. (coord.). Manejo Costero Integrado y Política Pública en Iberoamérica: Un diagnóstico. Necesidad de cambio. Red IBER MAR (CYTED), Cádiz, 291-330.

SEMMA. 2012.Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Vila Velha - 3º Relatório Parcial do Plano de Mane jo do PNMJ. Seção VII - página 12, 2009.Cliffs. NJ.

SEMSU. 2017.Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Vila Velha – PMVV.

Suguio K. 1992. Dicionário de geologia marinha: com ter mos correspondentes em inglês, francês e espanhol. São Paulo: TA Queiroz.

Venturi LAB. 2011. 2011. Técnicas de interlocução. In: Venturi, LAB (Org.) Geografia, Práticas de Campo, Laboratório e Sala de aula. São Paulo: Editora Sarandi.