Autoria em discursos sobre resíduos sólidos em dois audiovisuais produzidos por estudantes de ensino médio / Authorship in discourses on solid waste in two audiovisual products produced by High School students

Contenido principal del artículo

Marinilde Tadeu Karat
Patricia Montanari Giraldi
Suzani Cassiani

Resumen

O objetivo desse artigo é investigar discursos sobre resíduos sólidos e autoria em audiovisuais produzidos por estudantes de ensino médio, enfocando pedagogias alternativas, a fim de compreender os limites e contribuições da comunicação para um espaço de reflexão que funcionou como um repositório de textos escritos, imagéticos e fílmicos, favorecendo o discurso polêmico para leituras mais livres e polissêmicas. Os textos das atividades foram escolhidos dentro de uma perspectiva das inter-relações entre Ciências, Tecnologia e Sociedade. Esse trabalho pedagógico resultou na produção de roteiros, paródias e vídeos entre outras produções. Neste artigo, analisamos dois audiovisuais utilizando o referencial teóricometodológico da Análise de Discurso de linha Franco Brasileira. Nossos resultados mostram que os audiovisuais analisados se inscrevem no repetível histórico, que chamamos de autoria discursiva. Foi possível perceber a intertextualidade com os textos trabalhados e com o contexto histórico em que vivem os estudantes e as suas histórias de leitura.


 

Palabras clave
Autoria, audiovisuais, educação em ciências, resíduos sólidos, CTS Authorship, Audiovisual, Scientific Education, Solid Waste, STC

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Karat, M. T., Giraldi, P. M., & Cassiani, S. (2020). Autoria em discursos sobre resíduos sólidos em dois audiovisuais produzidos por estudantes de ensino médio / Authorship in discourses on solid waste in two audiovisual products produced by High School students. Commons. Revista De Comunicación Y Ciudadanía Digital, 9(1), 89-118. Recuperado a partir de https://revistas.uca.es/index.php/cayp/article/view/5665
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Marinilde Tadeu Karat, Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)

Graduada em Ciências Biológicas, Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade de São Paulo. Mestre e Doutoranda em Educação Científica e Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande. Tem experiência na área de educação, com ênfase em ensinoaprendizagem. Seus interesses de estudos e pesquisa estão voltados para mídias e educação, audiovisuais no ensino de ciências e linguagem no ensino de ciências e tecnologia. Atua como pesquisadora junto ao Grupo de Estudos e Pesquisa Discursos da Ciência e da Tecnologia na Educação e ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Literatura e Educação em Ciências, ambos vinculados ao Programa de Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina.

Patricia Montanari Giraldi, Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)

Docente do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catalina (UFSC). Possui graduação, Licenciatura Plena, em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria, Mestrado e Doutorado em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) pela Universidade Federal de Santa Catarina e Pós-Doutorado em Educação pela Universidade de Lisboa. Atua na área de pesquisa e ensino em educação em ciência e biologia, com foco nos seguintes temas: linguagem do/no ensino de ciências e biologia, relações entre literatura e educação em ciências. Tem experiência em projetos de cooperação e mobilidade acadêmica internacional, tendo coordenado o Programa de Pró-Mobilidade Acadêmica Internacional UFSC e Universidade Nacional de Timor Leste entre 2015 e 2017. Atualmente coordena o projeto de internacionalização Repositório de Práticas Interculturais: proposições para pedagogias decoloniais (Print/Capes, vinculado ao PPGECT-UFSC). Está credenciada junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina, orientando mestrados e doutorados. Atua como pesquisadora junto ao grupo de pesquisa Discursos da Ciência e Tecnologia na Educação. É líder do Grupo de Pesquisa em LiteraCiências.

Suzani Cassiani, Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)

É professora titular do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de Santa Catarina e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Discursos da Ciência e da Tecnologia na Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. É licenciada em Ciências Biológicas com Especialização, Mestrado, Doutorado em Educação pela UNICAMP (2000) e Pós Doutorado em Ciências Sociais (Estágio Sênior (2015) na Universidade de Coimbra- Portugal. Foi professora na rede pública do Estado de São Paulo, durante 12 anos (1988 a 1996). Na UFSC, atua em diferentes tipos de gestão de projetos nacionais e internacionais, especialmente com o Timor-Leste (Programa de Qualificação Docente e Ensino de Língua Portuguesa da CAPES, Pró Mobilidade Internacional, Projeto Internacionalização da UFSC), pela CAPES e CNPq. É coordenadora do Acordo de Cooperação entre a UFSC e Universidade Nacional de Timor Lorosa’e. Sua área de investigação envolve estudos discursivos relacionados à formação de professores, efeitos de colonialidade e pedagogias decoloniais na educação em ciências. Faz parte da diretoria da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC), desde 2015. Atualmente é editora assistente da Revista Portuguesa de Educação em Ciências.

Citas

BLAUTH, P., LEME, P. C. S. & SUDAN, D. (2007). Mitos populares pró-lixo. In CINQUETTI & LOGAREZZI (Eds.). Consumo e resíduo: Fundamentos para o trabalho educativo. (pp. 145-167). São Carlos: Edufscar.

CARLETTO, M. R., LINSINGEN, I & DELIZOICOV, D. (2006). Contribuições a uma educação para a sustentabilidade. In I Congreso Iberoamericano de Ciencia, TecnologÍa, Sociedad e Innovación. Ciência, Tecnologia e Innovación para el desarrollo em Iberoamérica. Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación la Ciencia y la Cultura (OEI). Ciudad de México, México. Recuperado de: https://www.oei.es/historico/memoriasctsi/mesa16/m16p04.pdf

CASSIANI DE SOUZA, S. & ALMEIDA, M. J. P. M. de. (2005). Escrita no ensino de Ciências: autores do ensino fundamental. Ciência & Educação, 11 (3), 367-382. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132005000300003&script=sci_abstract&tlng=pt

CASSIANI, S., GIRALDI, P. M. & LINSINGEN, I. (2012). É possível propor a formação de leitores nas disciplinas de ciências naturais? contribuições da análise de discurso para a educação em ciências. Educação: Teoria e Prática, 22 (40), 43-61. Recuperado de https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/6270/4589

CINQUETTI, H. C. S. & CARVALHO, L. M. de. (2007). As professoras e os conhecimentos sobre os resíduos sólidos. In CINQUETTI & LOGAREZZI (Eds.). Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. (pp. 185-198). São Carlos: Edufscar.

COUTO, H. H. O. de M. & REZENDE-FILHO, L. A. (2011). Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e cibercultura. In VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Associação Brasileira de Pesquisa em Educação. Campinas, Brasil. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0917-1.pdf

DA-RIN, S. (2006). Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro: Azougue Editorial. FISCHER, R. M. B. (2006). Televisão & Educação: fruir e pensar a TV. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

FISCHER, R. M. B. (2012). Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

FOUCAULT, M. (1996). A ordem do discurso. Tradução de Lara Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola.

FOUCAULT, M. (2017). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FREIRE, P. (1983). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

FREIRE, P. (2009). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Edição especial. São Paulo: Editora Paz e Terra.

GIRALDI, P. M. (2010). Leitura e escrita no ensino de ciências: espaços para produção de autoria. Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/94218/283291.pdf?sequence=1

KARAT, M. T. (2014). Autoria em discursos sobre resíduos sólidos: uma análise sobre produções audiovisuais de estudantes de ensino médio. PPGECT, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/129533/327893.pdf?sequence=1&isAllowed=y

KARAT, M. T., CASSIANI, S. & GIRALDI, P. M. (2015). Jornal Natural e os resíduos sólidos: autoria em um audiovisual produzido por estudantes de ensino médio. In X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Associação Brasileira de Pesquisa em Educação. Águas de Lindóia, Brasil. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R2087-1.PDF

KARAT, M. T. & RAMOS, M. B. (2013). Audiovisuais no ensino de ciências: o silêncio da autoria discursiva. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Associação Brasileira de Pesquisa em Educação. Águas de Lindóia, Brasil. Recuperado de http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/ixenpec/atas/resumos/R1618-1.pdf

LAYRARGUES, P. P. (2002). O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem de lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In C. F. B. LOUREIRO, P. P. LAYRARGUES & R. S. CASTRO. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. (pp. 179-219). São Paulo: Cortez.

LINSINGEN, I. (2007). Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino (UNICAMP), 1, (n. especial), 1-19.

MACHADO, A. (1998). A arte do vídeo. São Paulo: Editora Brasiliense.

MARTIN, M. (2013). A linguagem cinematográfica. São Paulo: Editora Brasiliense.

NICHOLS, B. (2012). Introdução ao documentário. Campinas: Papirus Editora.

ORLANDI, E. P. (1996). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Rio de Janeiro: Vozes.

ORLANDI, E. P. (2010). As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6ª. ed. Campinas: Editora Unicamp.

ORLANDI, E. P. (2013). Análise de discurso: princípios e procedimentos. 5ª ed. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (1990). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes.

PITOLLI, A. M. S. (2007). O lixo diário e os modos de convi (viver) com ele. In CINQUETTI & LOGAREZZI (Eds.). Consumo e resíduo: Fundamentos para o trabalho educativo. (pp. 169-184). São Carlos: Edufscar.

SILVA, R. L. F. (2007). O meio ambiente por trás da tela: concepções de educação ambiental dos filmes da TV escola. 30a. Reunião anual da Associação Nacional de Pós-graduação em Educação. Caxambu, Brasil. Recuperado de http://30reuniao.anped.org.br/trabalhos/GT22-3678--Int.pdf

SILVEIRA, J. C.; CASSIANI, S. & LINSINGEN, I. (2018). Escrita e autoria em texto de iniciação científica no ensino fundamental: uma outra relação com o saber é possível? Ciência e Educação (UNESP), 24 (1), 9-25. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v24n1/1516-7313-ciedu-24-01-0009.pdf

VANOYE, F. & GOLIOT-LÉTÉ, A. (2012). Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus Editora.

VERÍSSIMO, L. F. (2000). Lixo. In: O analista de Bagé. Porto Alegre: L&PM.