Regulamentação do uso de canudos plásticos na região costeira do Rio Grande do Sul, sul do Brasil

Número

Descargas

Visitas a la página del resumen del artículo:  162  

DOI

https://doi.org/10.25267/Costas.2023.%20v4.i2.0704
PlumX

Autores/as

Resumen

A produção e consumo de plástico aumentou muito nos últimos anos, devido à elevação dos padrões de consumo por parte da população. Os plásticos descartáveis, tais como, canudos, passaram a fazer parte da vida cotidiana. Muitos desses resíduos pós-consumo acabam sendo descartados incorretamente e, por possuírem elevada durabilidade, permanecem no meio ambiente por centenas de anos, podendo causar impactos à fauna aquática. Os canudos de plástico estão entre os resíduos mais encontrado em ações de limpeza de praias em todo o mundo. Diante dessa problemática, em várias localidades do mundo, surgiram regulamentações acerca da proibição ou restrição ao uso desse material. Com o intuito de avaliar o posicionamento dos municípios da zona costeira do Rio Grande do Sul, no sul do Brasil, a respeito desta questão, foi realizado o levantamento das legislações municipais existentes quanto à proibição do uso de canudos plásticos. O Rio Grande do Sul conta com 16 municípios limítrofes com o mar, incluindo uma população residente de aproximadamente 590.000 habitantes. Desses municípios, oito proíbem diretamente o uso de canudos plásticos. Nenhuma regulamentação prevê exceção para o uso de canudos plásticos, mas todas apontam o uso de canudos biodegradáveis em substituição ao plástico e 75% indicam a substituição por papel. No entanto, há falta de especificação ou critérios técnicos para classificação e identificação dos tipos de canudos permitidos. Apenas 25% das leis mencionaram ou propuseram medidas de educação ambiental e nenhuma contempla incentivos econômicos. Entretanto, todas apontam sanções administrativas e econômicas caso haja descumprimento da lei. Acredita-se que a regulamentação seja o passo inicial para eliminação dos canudos plásticos. No entanto, são necessárias implementações de medidas de incentivo para o desenvolvimento de soluções alternativas para o consumo, uma vez que a simples proibição deste produto pode levar ao aumento do uso de outros itens descartáveis ou ao uso de outros materiais de difícil degradabilidade. Além disso, é fundamental que as medidas adotadas sejam mais amplas e que visem a redução do consumo de materiais de uso único como um todo.

Palabras clave


Cómo citar

Maffessoni, D., Goncalves Simões do Carmo, J. ., Vargas Brandão, M. ., & Henrique Ott, P. . (2023). Regulamentação do uso de canudos plásticos na região costeira do Rio Grande do Sul, sul do Brasil. Costas, 4(2), 123–134. https://doi.org/10.25267/Costas.2023. v4.i2.0704

Citas

Atlas do Plástico: Fatos e números sobre o mundo dos polímeros sintéticos / organização Marcelo Montenegro, Manoela Vianna , Daisy Bispo Teles. -- 1. ed. -- Rio de Janeiro: Fundação Heirich Böll, 2020.

Ardoin, N.M., Bowers, A.W., Gaillard, E., 2020. Environmental education outcomes for

conservation: a systematic review. Biol. Conserv. 241, 108224 https://doi.org/10.1016/j.biocon.2019.108224

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS. LEI Nº 20.597, DE 04 DE OUTUBRO DE 2019. Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização de canudo de material biodegradável em restaurantes, bares, lanchonetes e estabelecimentos similares no âmbito do Estado de Goiás. Disponível em: <https://leisestaduais.com.br/go/lei-ordinaria-n-20597-2019-goias-dispoe-sobre-a-obrigatoriedade-de-utilizacao-de-canudo-de-material-biodegradavel-em-restaurantes-bares-lanchonetes-e-estabelecimentos-similares-no-a>. Acesso: mar. 2022

BAHAMAS. 2019. ENVIRONMENTAL PROTECTION (CONTROL OF PLASTIC POLLUTION) BILL, 2019. Disponível em: <https://www.bahamas.gov.bs/wps/wcm/connect/7cb2452c-fa3a-4e8f-a10b-96fa0b1b1ad3/EnvironmentalProtection+%28Control+of+Plastic+Pollution%29+Bill%2C2019_01.pdf?MOD=AJPERES#:~:text=The%20Environmental%20Protection%20(Control%20of%20Plastic%20Pollution)%20Bill%2C%202019,compostable%20single%20use%20plastic%20bags.>. Acesso: mar. 2022

Castelliano, C., Grajzl, P., Watanabe, E., 2021. How has the Covid19 pandemic impacted

the courts of law? Evidence from Brazil. Int. Rev. Law Econ., 105989 https://doi.org/10.1016/j.irle.2021.105989

Ciezka, B., Rybinska, A., 2020. Fundacja Rozwoju Systemu Edukacji, Polskie Towarzystwo Ewaluacyjne. In: Evaluation in Educational Practice, Evaluation in Educational Practice. Wydawnictwo FRSE. https://doi.org/10.47050/66515246.

Chitaka, T. Y., Russo, V., Blottnitz, H. V. 2020. In pursuit of environmentally friendly straws: a comparative life cycle assessment of five straw material options in South Africa. The International Journal of Life Cycle Assessment (2020) 25:1818–1832. https://doi.org/10.1007/s11367-020-01786-w

COREDE Litoral. Perfil Socioeconômico do Corede Litoral. Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Secretaria do Planejamento, Mobilidade e Desenvolvimento Regional, 2015.

Danopoulos, E., et al. 2020. Microplastic Contamination of Seafood Intended for Human Consumption: A Systematic Review and Meta-Analysis. Environmental Health Perspectives. Vol. 128, No. 12. https://doi.org/10.1289/EHP7171

Geyer, R., Jambeck, J.R., Law, K.L., 2017. Production, use, and fate of all plastics ever made. Sci. Adv. 3.

Herberz, T.; Barlow, C. Y.; Finkbeiner, M. 2020. Sustainability Assessment of a Single-Use Plastics Ban. Sustainability 2020, 12, 3746; doi:10.3390/su12093746

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Municípios defrontantes com o mar 2020. Disponível em:

<https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/24072-municipios-defrontantes-com-o-mar.html?=&t=downloads. Acesso: mar 2022.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2021. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/>. Acesso: abr 2022.

INSTITUTO IDEAIS. Normas e tipos de plásticos biodegradáveis. 2019. Disponível em:

<http://i-ideais.org.br/norma-e-tipos-de-plasticos-biodegradaveis/>. Acesso: mar 2022.

Li, P. et al. 2020. Characteristics of Plastic Pollution in the Environment: A Review. Bulletin of Environmental Contamination and Toxicology. https://doi.org/10.1007/s00128-020-02820-1

OCEAN CONSERVANCY. 2021. We clean on. Report 2021. Disponível em: <https://oceanconservancy.org/wp-content/uploads/2021/09/2020-ICC-Report_Web_FINAL-0909.pdf>. Acesso: 09 novembro 2021.

PLASTICS EUROPE. Plastics - the facts 2021. Disponível em: https://plasticseurope.org/knowledge-hub/plastics-the-facts-2021/. Acesso: mar. 2022.

Salazar-Perez, C. et al. 2021. First insight into plastics ingestion by fish in the Gulf of California, Mexico. Marine Pollution Bulletin 171 112705. https://doi.org/10.1016/j.marpolbul.2021.112705

UN - environment programme. POLICIES, REGULATIONS AND STRATEGIES IN LATIN AMERICA AND THE CARIBBEAN TO PREVENT MARINE LITTER AND PLASTIC WASTE. January 2021. Disponível em: <https://wedocs.unep.org/bitstream/handle/20.500.11822/34931/Marine_EN.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso: mar 2022

Wagner, T.P., Toews, P., 2018. Assessing the use of default choice modification to reduce consumption of plastic straws. Detritus - Volume 04 - December 2018 Pages 113-121. DOI: 10.31025/2611-4135/2018.13734.

Zanghelini, G. M. et al. 2020. Comparative life cycle assessment of drinking straws in Brazil. Journal of Cleaner Production 276 123070. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2020.123070